Estrutura própria para afiliados: fotografia de um homem concentrado trabalhando com o computador.

Guia para você montar a sua estrutura própria para afiliados

Para quem deseja se destacar no marketing de afiliados, uma coisa é fundamental: ter uma estrutura própria, ou seja, um lugar seguro para divulgar os links e criar relacionamento com os seus clientes. Mas por onde começar?

Neste conteúdo, você entende melhor o que é uma estrutura própria e conhece 7 exemplos de estruturas que podem te ajudar a vender mais, com todos os prós e contras. Confira!

O que é uma estrutura própria para afiliados?

A estrutura própria para afiliados diz respeito ao espaço onde as pessoas que atuam no marketing de afiliados podem divulgar seus produtos e serviços. Ou seja: engloba todas as plataformas, digitais ou não, onde um afiliado pode conquistar novos clientes.

Ter uma estrutura própria é importante para que você possa aplicar estratégias mais assertivas, focadas no público que usa aquela determinada plataforma. Afinal, o tipo de conteúdo que produzimos para o Instagram não é igual ao que produzimos para um blog, certo?

Esse tipo de cuidado e conhecimento também é uma maneira de potencializar resultados. Isso porque, quanto mais você conhece a sua estrutura própria de afiliado, mais chances tem de elaborar técnicas eficazes de atração e retenção de um novo público. 

Quais são as possíveis estruturas próprias para afiliados?

Em geral, as estruturas próprias para afiliados incluem todas as plataformas onde um afiliado pode divulgar os seus links, sejam elas digitais ou não. Neste conteúdo, porém, optamos por focar apenas em estruturas online, uma vez que elas são mais eficazes no processo de alcançar um novo público e exigem estratégias específicas.

A seguir, você confere as 7 principais estruturas próprias para afiliados e entende quais são os pontos positivos e negativos de cada uma delas. Continue lendo e saiba mais!

1. Site/Blog

Os sites e blogs são as estruturas próprias para afiliados mais conhecidas e mais consolidadas. Afinal, são uma maneira de atrair tráfego orgânico, construir relacionamento, reforçar a autoridade de marca e ainda divulgar links. Ou seja: permitem que o afiliado faça um pouco de tudo, com total liberdade de customização.

Os blogs também são um espaço em que o afiliado pode ter mais controle sobre o que o seu público vai ver. Isso significa que é possível criar um funil de vendas mais robusto, acompanhando a pessoa usuária durante todo o seu trajeto de compra.

Nos últimos anos, a produção de conteúdos para blogs e sites virou uma área própria do marketing, o chamado Marketing de Conteúdo ou Marketing Digital. Para dominar essas plataformas, portanto, pode ser interessante entender como elas passaram a funcionar, buscando mais informações sobre a otimização para mecanismos de busca (SEO), experiência do usuário e design intuitivo.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Plataforma consolidada e com bons resultados ao longo da história do marketing de afiliados;- Possibilidade de construir um funil de vendas robusto;- Possibilita o aumento de autoridade de marca e a criação de um relacionamento duradouro com o futuro cliente.– Demanda conhecimentos específicos para que os conteúdos atraiam um público de forma orgânica;- Para que sejam atrativos, os conteúdos devem ser aprofundados e de qualidade.

2. Lista de e-mail

As listas de e-mail (também chamadas de newsletters) também são uma forma bastante conhecida e tradicional de ter uma estrutura própria como afiliado. Com ela, as pessoas podem se inscrever para receber novidades e promoções por e-mail, mantendo-se sempre a par das suas divulgações.

Além de serem um espaço para a divulgação dos links de afiliados, as listas de e-mail também são uma maneira de criar um relacionamento mais próximo com o público. Por fim, são um espaço onde as chances de conversão são maiores, uma vez que quem se inscreve, em geral, já confia nas indicações que vai receber.

Vale pontuar, ainda, que as listas de e-mail também podem ser usadas ao lado de outras estratégias — como as landing pages ou as redes sociais —, e pensadas como um espaço “exclusivo” para os seus futuros clientes. A partir desse gatilho de exclusividade, as chances de resultados melhores de venda também aumentam.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Possibilita um relacionamento próximo com os clientes;- São uma forma mais direta de trabalhar com leads e pessoas que já estão interessadas em adquirir um produto/serviço;- Podem ser associadas a mais estratégias.– É fundamental que haja cuidado com os dados dos assinantes;- Listas de e-mail usadas sem a estratégia correta podem significar um prejuízo para a marca.

3. Landing Pages

As landing pages são páginas online totalmente focadas em conversão. Por isso, seu conteúdo é feito de forma mais estratégica, contando com um texto mais persuasivo e que leve o cliente a realizar uma ação.

É importante mencionar, no entanto, que uma LP não necessariamente será um lugar de venda. A “conversão” pode ser medida através do download de um material rico, ou da participação em um grupo de WhatsApp, ou até da inscrição em uma lista de e-mails.

Isso significa que uma landing page pode ter objetivos diferentes, a depender da sua estratégia de negócio. E, por ser completamente personalizável, ela te dá a liberdade de vender de diferentes formas: com vídeos, botões, anúncios, texto etc.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Permite coletar dados importantes da pessoa usuária, construindo um funil de vendas mais robusto;- Reduz o custo de aquisição do cliente, já que não demanda diferentes tipos de comunicação.– Costuma ser voltada para um único produto, sendo mais difícil criar LPs para diferentes objetivos.

4. YouTube

Para quem gosta mais do trabalho com a câmera do que de textos, o YouTube também é uma boa estrutura própria. Afinal, a plataforma possibilita que afiliados falem sobre os seus produtos e serviços respondendo as principais dúvidas da pessoa usuária ou criando com ela uma conexão.

As estratégias para YouTube mudaram muito ao longo dos anos, e hoje já contam com a otimização dos conteúdos para os mecanismos de busca e até versões mais curtas dos vídeos, os Shorts. No entanto, se bem trabalhadas, podem ser uma boa fonte de aquisição de público, além de serem um espaço livre para a divulgação de links, externos ou internos.

O maior cuidado com o YouTube é que, embora o afiliado possa ter um canal próprio, ele ainda está submetido às mudanças do algoritmo. Ou seja: é preciso estar sempre atento às diretrizes e se manter ainda mais atualizado sobre a rede social.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Espaço que possibilita maior naturalidade e conexão com o público;- Boas oportunidades de criar relacionamentos mais duradouros.– É necessário seguir as “regras” da plataforma e se adaptar às mudanças do algoritmo, o que pode impactar nas vendas.
Fotografia de uma mulher com expressão concentrada olhando para o computador.

5. Instagram

O Instagram, mais do que qualquer outra rede social, se consolidou como um canal de vendas importantíssimo. Por isso, pode ser uma boa alternativa de estrutura própria para afiliados. 

Nele, é possível adotar diversas estratégias, seja em termos de conteúdo, seja em termos de divulgação. As ferramentas também são cada vez maiores: fotos, textos, stories, links, vídeos longos ou curtos etc. Isso significa que, para o afiliado que aprende a dominar o Instagram, as chances de crescimento orgânico e de mais sucesso nas vendas são muito altas.

Assim como acontece com o YouTube, porém, esta rede também faz com que o afiliado fique “refém” do algoritmo do Instagram, o que pode impactar os números repentinamente. Para além disso, o Instagram não permite a divulgação de links de afiliados diretamente em sua plataforma, sendo necessário associar esta estratégia a outra — como um blog ou uma landing page.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Plataforma diversa e amplamente utilizada por usuários;- Possibilita mais conexão e conversão;- Engloba diferentes tipos de comunicação.– É necessário seguir as “regras” da plataforma e se adaptar às mudanças do algoritmo, o que pode impactar nas vendas;- Não permite divulgação de links de afiliados diretamente na plataforma.

Leia também: Marketing no Instagram: 5 mitos que você precisa contornar para ganhar dinheiro

6. Facebook

Uma das redes sociais favoritas dos afiliados é o Facebook, que permite a divulgação de links em diferentes locais do site. Para quem deseja ter uma estrutura própria, é possível criar uma página e fazer posts que podem atrair a atenção de diferentes pessoas.

O Facebook também é uma das maiores redes sociais do mundo, com bilhões de usuários diários. Assim, o afiliado tem grandes oportunidades não só de se conectar com os seus potenciais compradores, mas também de atingir públicos cada vez maiores e mais engajados.

Os pontos de atenção com o Facebook são, em primeiro lugar, o algoritmo e as mudanças da plataforma, e, em segundo, o perfil dos usuários. Uma pesquisa da OPUS identificou que os usuários que acessam a rede com frequência são os considerados de “meia idade” (ou seja, entre 25 e 44 anos).

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Uma das maiores redes sociais do mundo;- Permite a criação de um relacionamento próximo com o futuro cliente.– É necessário seguir as “regras” da plataforma e se adaptar às mudanças do algoritmo, o que pode impactar nas vendas;- A depender do nicho, pode não atrair a atenção do público mais jovem.

7. Anúncios

Por fim, uma última estrutura própria para afiliado são os anúncios. A plataforma mais conhecida, hoje em dia, é a do Facebook Ads, que contempla também o Instagram. E ela é um espaço completo para quem deseja começar a divulgar produtos, serviços ou o próprio perfil nas redes sociais.

Os anúncios, no entanto, são uma forma de tráfego pago, ou seja, exigem investimentos que podem não trazer o retorno esperado — a menos que sejam feitos de maneira estratégica e preparada. Além disso, costumam depender de uma outra estrutura — um site ou uma landing page — para onde a pessoa usuária pode ser encaminhada para efetuar a compra final.

Por isso, antes de investir nos anúncios, vale a pena já ter uma estrutura própria consolidada e focar em construir autoridade de marca.

Principais vantagensPrincipais desvantagens
– Customizável para o público que você deseja atingir, aumentando as chances de conversão;- É mais uma maneira de estar presente nas redes sociais, alcançando novas pessoas.– É necessário seguir as “regras” da plataforma e se adaptar às mudanças do algoritmo, o que pode impactar nas vendas;- É um investimento pago;- Em geral, demanda a existência de outra estrutura própria.

Esperamos que este conteúdo tenha te ajudado a entender melhor o que é a estrutura própria para afiliados. Agora, aproveite para baixar o aplicativo da Consultoria Educação e começar a colocar em prática tudo o que você aprendeu, fazendo uma renda extra sem sair de casa!

Guia prático: obtendo sucesso no trabalho em um programa de afiliados

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.